sexta-feira, 2 de junho de 2017

Um outro poema sobre fantasmas



Quando os fantasmas não têm a certeza da nossa existência, 
ganhamos a transparência fundamental e a consistência da névoa 
a pairar num obscuro e impensável despropósito de vida. E, 
nesses instantes, podemos vê-los plasmados numa solidez de dúvida; 
eriçados, em torrente, até à mais profunda convicção de si próprios; 
imbuídos em suor e vóltios que gemem uma melodia acidental; 
mesmo à nossa frente e numa qualquer superfície que, mais ou menos, 
espelhe, para que, a nossa imagem, atravesse a nossa memória. 


 [sobrevoo]



4 comentários:

  1. Fantasmas de nós mesmos.
    Bjks

    ResponderEliminar
  2. Quando olhamos os nossos fantasmas de frente estamos a um passo de os vencer.
    bjs

    ResponderEliminar
  3. E quando finalmente encaramos os nossos fantasmas... é quando a nossa consciência, finalmente nos dá a consistência, que até aí nos faltaria...
    Prefiro que os meus fantasmas tenham medo de mim... do que eu, deles... :-D
    Eles que continuem no seu mundo... de preferência sem perturbar o mundo, dos que querem apenas viver...
    Um poema interessantíssimo, Henrique... este, de nos confrontarmos com nós mesmos... por vezes...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
  4. Gostei
    (cheguei aqui pelo link no blogue da Ana Freire)

    ResponderEliminar